domingo, 3 de março de 2013

Como escrever sobre temas conotativos em uma redação


Sobre as perguntas lançadas no último post, seguem as considerações.

Primeiramente, é importante que fique claro que temas conotativos são aqueles em que se têm como base ideias abstratas, o contrário do que acontece quando o tema é denotativo, em que são apresentados assuntos objetivos, concretos.

Por exemplo, em uma redação cujo tema seja “Consumismo e violência”, não se tenderá a uma reflexão mais filosófica. Será necessária uma argumentação objetiva, em que se apresentem aspectos sobre consumismo e sobre violência. O tratamento dado ao tema é óbvio.

Os temas conotativos exigem uma maior capacidade de abstração na hora de interpretá-los. Não há um caminho exato a seguir. Isso porque um tema não-objetivo dá margem a variadas interpretações.


É o que acontece com a proposta apresentada na postagem anterior. A frase conhecida de Ferreira Gullar – “A Arte existe porque a vida não basta” – pode ser interpretada de maneiras variadas e cada candidato tratará o tema de uma forma.

Veja quantas direções podem ser tomadas em uma redação sobre esse tema:
1) A importância das atividades artísticas na qualidade de vida.
2) A mesmice do cotidiano.
3) Movimentos artísticos e inclusão social.
4)  A  necessidade humana de se emocionar.
E por aí vai...

Após interpretação do tema, é necessário se decidir por um ponto de vista e, em seguida, argumentar para comprová-lo.



Se eu me deparasse com essa proposta e a tivesse interpretado de acordo com a opção 1, meu roteiro seria o seguinte:

Introdução (tese) – A prática artística interfere positivamente na saúde.

Parágrafo de desenvolvimento 1 __ Relacionaria as seguintes ideias: a vida corrida do homem do século XXI tem sido nociva para a saúde. Atividades artísticas têm sido usadas no tratamento de alterações psicológicas, apresentando resultados satisfatórios.

Parágrafo  de desenvolvimento 2 __ A necessidade humana de fuga da realidade e a arte como caminho viável para isso.

Pronto!


Em suma, os temas conotativos podem assustar um pouco no início, mas “domá-los” não é tão difícil assim.

Bons estudos!