quarta-feira, 27 de março de 2013

Posso fazer uma pergunta na introdução?

Essa é uma questão que muitos estudantes me apresentam. Muita gente diz ser mais fácil inserir uma pergunta na introdução e, no decorrer do texto, respondê-la.

Há opiniões diversas a respeito se vocês consultarem materiais sobre produção textual. Alguns autores acham adequado fazer a tese por meio de uma pergunta. Eu já não acho o mais apropriado quando se trata de vestibulares e de concursos para cargos públicos.

A introdução é o momento de se apresentar um ponto de vista a respeito do tema. É importante que o leitor saiba, desde o primeiro parágrafo, o que será defendido pelo autor. Quando há um questionamento, o autor não se posiciona, o que, em minha visão, compromete a estrutura e a organização da redação.

Na verdade, eu acho que fazer perguntas na redação, seja em qualquer parágrafo, é ruim. Se o objetivo de um texto dissertativo-argumentativo é a defesa de um ponto de vista, por que perguntar? É preciso afirmar, argumentar para comprovar uma opinião.

Em vez de:
“Por que o brasileiro não é atuante em relação à política?”

É melhor dizer:
“O brasileiro não é atuante em relação à política”. Depois explique o porquê.

Há apenas um tipo de pergunta que cabe em uma introdução, mas isso já é assunto para outra postagem.

Por enquanto, evitem as perguntas. Apresentem respostas. Só isso.


OBS: Quer saber mais sobre como fazer uma introdução? Escrevi sobre isso aqui

Até mais!
                                                            

segunda-feira, 25 de março de 2013

Comentários e técnica de redação – Intolerância e radicalismo


Olá!
Seguem os comentários sobre a redação publicada na última postagem.

O aspecto que quero ressaltar é a técnica utilizada para elaboração do texto. A redação foi produzida com base em uma tese explícita, formato que, em minha opinião, tende a deixar o texto mais nitidamente organizado. Para quem está começando a estudar redação, conhecer essa técnica é muito importante.

O que seria uma tese explícita?
Primeiramente, é importante explicar o que é uma tese, ou uma frase-guia, como alguns autores chamam. Trata-se de uma frase sintética em que se apresenta o ponto de vista do autor da redação. Essa frase-guia deve ser apresentada no parágrafo de introdução a fim de que o leitor entenda, desde o início, o que será defendido durante o texto.

A tese explícita é aquela em que o autor apresenta o seu posicionamento sobre o tema e já cita, de maneira breve, que argumentos serão utilizados nos parágrafos de desenvolvimento.

Vejamos a introdução da Franciana novamente:
“O panorama atual é marcado pelas crescentes ondas de radicalismo e intolerância entre os povos. As causas geradoras dessa conjuntura no iniciante século se relacionam ao unilateralismo político de uma só potência, à movimentos terroristas e a guerras por interesses econômicos. Tratar dessas questões é fundamental para a convivência pacífica entre os seres”.

O trecho em vermelho é a tese. Nesse momento, a autora cita os três argumentos que apresentará nos parágrafos seguintes para falar sobre as causas do problema: 1) o unilateralismo político, 2) os movimentos terroristas, 3) as guerras por interesses econômicos.
No desenvolvimento, foram produzidos três parágrafos, um para cada argumento apresentado. Essa organização favoreceu bastante o entendimento do texto.

É claro que a tese explícita não é a única técnica para fazer redações, mas eu a considero a mais adequada em algumas provas, como as de concursos públicos, por exemplo.

Sobre a questão gramatical, houve um desvio em relação à crase. Veja:

Forma correta (sem crase)“As causas geradora se relacionam a movimentos terroristas”.
- O verbo “relacionar-se” exige preposição A – relacionar-se A alguma coisa.
- A palavra “movimentos” é masculina e está no plural, o que indica que os únicos artigos que podem ser utilizados com ela são “uns” e “os”. Os artigos “a” e “as” não acompanham o vocábulo.
- Dessa forma, não ocorreu a junção AA. Houve apenas o “a” preposição, exigido pelo verbo.

Se quiserem mais informações sobre crase, falei a respeito neste post aqui.

Por hoje é isso!
Até a próxima.


domingo, 24 de março de 2013

Redação pronta – Tema: Radicalismo e intolerância



Nesta postagem, apresentarei a redação de Franciana Rosa, uma amiga querida e excelente profissional da área de Farmácia.

Ao fazer uma arrumação em seu escritório, Franciana encontrou algumas redações que fez para concursos/vestibulares e as enviou para mim como contribuição para o blog. Obrigada, Fran!

O texto que publico hoje foi escrito por ela em 2004, mas é bastante atual. 

Neste post, apresento apenas a redação na íntegra. Na próxima postagem, tecerei comentários a respeito do texto.

Avaliem a produção e apresentem suas impressões nos comentários. Para quem está estudando redação, analisar textos é muito importante. Trata-se de uma prática essencial para aperfeiçoamento da escrita.


Segue a redação.

Tema: Radicalismo e intolerância

            O panorama atual é marcado pelas crescentes ondas de radicalismo e intolerância entre os povos. As causas geradoras dessa conjuntura no iniciante século se relacionam ao unilateralismo político de uma só potência, à movimentos terroristas e a guerras por interesses econômicos. Tratar dessas questões é fundamental para a convivência pacífica entre os seres.

            A consolidação do poder econômico e político da Nação Norte Americana nos pós Guerra-Fria condicionou em várias regiões do planeta movimentos de caráter extremista. Bem como a padronização de hábitos e cultura contribui incessantemente para alimentar as lutas por defesa da nacionalidade própria de cada povo.

            Em uma segunda análise, percebe-se que os crescentes atos de terrorismo representam para o segmento que os praticam uma forma de demonstrar sua insatisfação perante as problemáticas vividas. Ao longo da última década, o fundamentalismo extremista vitimou milhares de inocentes em lutas territoriais como se vê na questão em torno da criação do Estado da Palestina.

            Por último, não se pode deixar de ressaltar que os radicalismos são frutos de ações gananciosas que promovem guerras. Tais guerras, por vezes, são deflagradas para movimentar a economia de um dado país porque dessa forma suas indústrias bélicas aumentam sua lucratividade. Porém, o preço desse lucro é pago com o sangue de milhares de civis.

            Sob a ótica apresentada, verifica-se o quanto complexo se torna o relacionamento entre os povos. A crescente intolerância pode levar a sociedade a um panorama caótico de incertezas e medo. Somente o combate às causas que geram os radicalismos pode propiciar a construção de um mundo melhor.

Até a próxima.
Bons estudos!

sábado, 23 de março de 2013

Nota de esclarecimento


Em uma das postagens mais populares do blog, eu apresentei o texto produzido por uma pessoa que contratou o serviço de correções comigo, em 2011. Com a devida autorização, publiquei o texto e, em seguida, parte da análise que fiz da redação.

Ontem, porém, recebi e-mail de uma outra pessoa que disse ser o verdadeiro autor do texto e que se demostrou desconfortável com a situação, uma vez que a redação postada não estaria com a devida autoria.

Entrei em contato com a leitora que me enviou a redação em 2011 e ela me confirmou que não houve nenhuma cópia. Ela me garantiu que fez a redação, pois não teria pago por um serviço que não avaliasse a sua escrita.

Em contrapartida, o rapaz que se disse autor verdadeiro da redação enviou-me escaneado o texto que fez com a data de 2009. A redação, de fato, era praticamente a mesma. Ele disse que enviou a redação para o site UOL na época em que cursava o terceiro ano do ensino médio.

Diante dessa situação, abro essa postagem para apresentar o meu posicionamento a respeito do ocorrido.
O aspecto mais importante do trabalho que realizo neste espaço é a exclusividade. O conteúdo aqui apresentado é sempre escrito por mim ou então por algum aluno virtual que me autoriza a publicação. Há algumas postagens em que transcrevi redações exemplares a fim de tratar de algum tema, no entanto, nesses casos, as fontes foram devidamente mencionadas. Transparência e exclusividade, reitero, são os pilares do trabalho que realizo no blog.

Na situação relatada, não quero apontar quem é certo e quem é errado. Aliás, nem sei se há alguém certo e alguém errado. O que preciso deixar claro, em respeito a todos os leitores, é que não tenho responsabilidade direta sobre tal situação.
Tenho muitos alunos virtuais e não pesquiso se os textos que a mim são enviados são cópias. Até porque acho incoerente alguém pagar para escrever um texto e não escrevê-lo de fato.

Sendo assim, diante das evidências a que tive acesso, deixo aqui registrado que o senhor David Veras é o autor da redação em questão. 


Para melhor entendimento do caso, seguem os links a que me referi.






Um grande abraço.

Lygia Maria



sexta-feira, 22 de março de 2013

Curiosidade - Palavra BADERNA

Foto retirada no Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo.

Achei bem interessante conhecer a origem da palavra.





Bom fim de semana!

Bons estudos!

domingo, 17 de março de 2013

Tema PMMG – Mais dicas sobre a redação

Olá!

No post anterior, eu publiquei uma redação feita para o tema que caiu na prova de admissão ao curso de formação de oficiais da PMMG.

Agora, conforme anunciei, vou apresentar alguns aspectos importantes que devem ser considerados no momento de escrever o texto para o tema em questão.

Tema: A impunidade e as práticas criminosas no Brasil

1)      As palavras-chave do tema são: impunidade, crime e Brasil. Sendo assim, esses três vocábulos devem aparecer em todos os parágrafos do texto. Isso é importante para que não ocorra fuga parcial. Quem escreveu, por exemplo, sobre práticas criminosas e impunidade, sem especificar o Brasil, fugiu parcialmente do tema.

2)      As palavras-chave são sempre importantes até mesmo para que se possa fazer uma correta interpretação da proposta. No tema em questão, um caminho possível é falar sobre as causas da criminalidade. No entanto se na exposição de tais causas não houver a relação entre estas e impunidade, haverá fuga parcial do tema.

3)      No texto dissertativo-argumentativo, é preciso defender um ponto de vista. Se o candidato apenas falar a respeito da relação entre impunidade e crimes no Brasil, poderá fugir ao gênero solicitado, fazendo um texto apenas expositivo. Lembrem-se: na introdução, devemos apresentar uma opinião a respeito do assunto. No desenvolvimento, argumentamos para defender essa opinião.

4)      Um leitor que publicou seu texto nos comentários -  na primeira postagem sobre o tema - falou sobre a importância da ação policial. Achei muito providencial essa abordagem, uma vez que se trata de um tema feito para a PM.


É isso.
Um abraço e bons estudos.



sexta-feira, 15 de março de 2013

Roteiro de redação – Impunidade e práticas criminosas no Brasil


Olá!
Nesta postagem, apresento como eu faria a redação sobre o tema Impunidade e práticas criminosas no Brasil, divulgado no último post.

Na próxima publicação, falarei sobre alguns aspectos importantes que foram levados em consideração na hora da produção do texto. Por ora, somente o projeto de redação.

Atualização do post: fiz comentários a respeito dos textos que vocês postaram nos comentários. 

Até mais!

Ponto de vista a ser defendido: A impunidade estimula a prática criminosa e é prejudicial para o Brasil.
Obs: Essa não seria a introdução completa, apenas a tese.

Parágrafo de desenvolvimento 1: Primeiramente, é importante observar que, além de servir como intervenção de um indivíduo que age em desacordo com a lei, a punição constitui também medida exemplar, pois mostra à sociedade que atos ilegais geram consequências negativas. No entanto, uma vez que, no Brasil, a sociedade percebe frequentes casos de impunidade, extingue-se o caráter exemplar da punição, fazendo com que os indivíduos percam o medo de cometer delitos. É nítido, portanto, que a falta de “castigo”  é um dos aspectos responsáveis pela criminalidade no Brasil.

Parágrafo de desenvolvimento 2: Outra questão importante a ser analisada é que a punição preserva a sociedade. Se pessoas que cometem crimes não são advertidas de forma adequada, as mesmas podem vir a ser reincidentes em práticas criminosas. No Brasil, é frequente na mídia a divulgação de crimes que foram cometidos por pessoas que deveriam estar presas, por exemplo. A impunidade se mostra, sob esse aspecto, muito perigosa para qualquer comunidade.

Conclusão: Torna-se evidente, portanto, o quanto a impunidade é nociva para o Brasil. Leis precisam ser modificadas e as já existentes devem ser tratadas com mais rigor. Somente assim a ideia de que “o crime não compensa” será incorporado, de fato,  à cultura brasileira. 


terça-feira, 12 de março de 2013

Interpretação de tema - Redação para PMMG


Nessa postagem, a ideia é trabalhamos a interpretação do tema da redação. Muitos candidatos recebem notas baixas justamente pela falta de compreensão da proposta.

Após leitura do texto de apoio e da frase-tema, que caminhos se podem seguir? Que ponto de vista poderá ser defendido?

Pensem a respeito, apresentem suas ideias nos comentários e, na próxima postagem, farei minhas considerações.

Importante: não fiquem com vergonha de se expor. Digam, sem medo, o que escreveriam se se deparassem com o tema em questão. O importante é construirmos um espaço de troca por aqui.

Uso como base o tema da prova de admissão ao curso de formação de oficiais da Polícia Militar de Minas Gerais.

Vamos lá!!
“Quando pensamos em impunidade, lembramos imediatamente em falta de castigo. Sob o enfoque jurídico, podemos relacionar impunidade com a não aplicação de determinada pena criminal a determinado caso concreto. A lei traz a previsão de que para cada delito, há sua correspondente punição. Quando o infrator não é alcançado, seja pela morosidade do aparato legal, pela fuga, pela deficiência da investigação, ou por qualquer fato posterior de tolerância, o crime permanecerá impune. Em latim tem-se que: “impunitas peccandi illecebra”, que significa impunidade estimula delinquência.”
                                  
 Com base nas informações apresentadas, redija um texto dissertativoargumentativo
sobre o tema: “A impunidade e as práticas criminosas no Brasil”.


terça-feira, 5 de março de 2013

Redação do concurso para o Banco do Brasil


Em maio/2013 será a prova do concurso para o Banco do Brasil. Para dar uma ajuda a quem está se preparando, decidi escrever sobre a proposta do último concurso que houve para a instituição.


O tema foi o seguinte:


“Em uma relação comercial, há sempre duas partes envolvidas: a empresa e o consumidor. O acordo entre os interesses de cada uma dessas partes é um desafio a ser superado quando se quer transformar intenções em realidade.”
Considerando o que se afirma acima, redija um texto dissertativo-argumentativo, posicionando-se a respeito do seguinte tema:

Conciliar as necessidades dos consumidores aos objetivos da empresa.



Comentários sobre o tema.


Trata-se de uma proposta fácil em relação ao assunto a ser tratado, porém alguns cuidados são necessários. Nesse tema, existe a tendência de o candidato fazer um texto expositivo, em vez de argumentativo. Se, ao produzir a redação, o autor falar somente sobre as necessidades dos consumidores e sobre os objetivos das empresas, não haverá argumentação, apenas informação. É preciso que se pense em um ponto de vista a ser defendido.

É sempre muito importante reservar algum tempo para pensar sobre a proposta, para interpretá-la. A redação começa a ser feita quando se começa a pensar sobre o tema.


Após pensar um pouco sobre a proposta, eu cheguei à seguinte linha de raciocínio:

O consumidor de hoje quer, principalmente, qualidade nos serviços que contrata e nos produtos que adquire. Essa  é, a meu ver, a necessidade maior das pessoas. Em muitos casos, acho que os consumidores não se importam em pagar um pouco mais caro se puderem contar com um bom produto. Até a empresa Isetisan trabalha essa questão em sua propaganda. Não sei se lembram: “É um pouco mais caro, mas é muito melhor”. Já as empresas têm como objetivo final o lucro. Na minha opinião, para que as duas partes sejam “felizes”, é necessário que as empresas busquem, na mesma proporção, lucro e qualidade no que oferecem.


Com base nessa linha de raciocínio, fiz o rascunho de uma redação. Segue:

Ponto de vista (apresentado na introdução): Para que se estabeleça uma relação harmônica entre empresas e consumidores, é necessário que as companhias ajam de forma ética e busquem aperfeiçoamento de forma contínua, pois o consumidor de hoje deseja, principalmente, qualidade.

Parágrafo de desenvolvimento 1: Sabe-se que o objetivo de qualquer empresa é o lucro, porém o sucesso financeiro deve estar ser sempre aliado à ética. Para que uma empresa tenha êxito, precisa apresentar uma imagem de credibilidade no mercado e isso só acontece quando a satisfação do consumidor não está em segundo plano. Buscar lucro é legítimo, mas somente oferecendo um serviço de qualidade se podem conciliar os interesses das duas partes.

Parágrafo 2 do desenvolvimento: A importância de se atuar com ética e comprometimento fica ainda mais nítida quando se analisa o perfil do consumidor de hoje. Com a vida corrida, característica do século XXI, o consumidor busca sobretudo qualidade, pois ele quer soluções e não aborrecimento. Com um mercado tão rico em ofertas, o consumidor também procurará bons preços, porém suas necessidades só serão atendidas se na compra ele também puder adquirir tranquilidade.

Conclusão: Lucro e qualidade são as palavras de ordem quando se trata de relações comerciais. No entanto só é possível conciliar os interesses de empresas e consumidores quando a qualidade do serviço é priorizada. A satisfação do cliente é a alma do negócio.

*Para fazer o texto, eu segui os seguintes passos: pensei sobre o tema, fiz um roteiro, cheguei a um ponto de vista e pensei em argumentos para comprová-lo.


*Quero também ressaltar um dado importante: em todos os parágrafos eu usei as palavras “conciliação”, “consumidor”, “empresa”. Isso é importante para que não haja fuga parcial do tema.


E por hoje é isso.

Bons estudos aos candidatos. Não deixem de dizer depois como se saíram na redação.

Até mais.

segunda-feira, 4 de março de 2013

Silogismo como técnica de argumentação - Brasil Escola


                                                        Olá, pessoal!

Segue a matéria que escrevi para o site Brasil Escola sobre técnica de argumentação.

Tema: Silogismo como técnica de argumentação.

Clique AQUI para ler o artigo.

Bons estudos!



domingo, 3 de março de 2013

Como escrever sobre temas conotativos em uma redação


Sobre as perguntas lançadas no último post, seguem as considerações.

Primeiramente, é importante que fique claro que temas conotativos são aqueles em que se têm como base ideias abstratas, o contrário do que acontece quando o tema é denotativo, em que são apresentados assuntos objetivos, concretos.

Por exemplo, em uma redação cujo tema seja “Consumismo e violência”, não se tenderá a uma reflexão mais filosófica. Será necessária uma argumentação objetiva, em que se apresentem aspectos sobre consumismo e sobre violência. O tratamento dado ao tema é óbvio.

Os temas conotativos exigem uma maior capacidade de abstração na hora de interpretá-los. Não há um caminho exato a seguir. Isso porque um tema não-objetivo dá margem a variadas interpretações.


É o que acontece com a proposta apresentada na postagem anterior. A frase conhecida de Ferreira Gullar – “A Arte existe porque a vida não basta” – pode ser interpretada de maneiras variadas e cada candidato tratará o tema de uma forma.

Veja quantas direções podem ser tomadas em uma redação sobre esse tema:
1) A importância das atividades artísticas na qualidade de vida.
2) A mesmice do cotidiano.
3) Movimentos artísticos e inclusão social.
4)  A  necessidade humana de se emocionar.
E por aí vai...

Após interpretação do tema, é necessário se decidir por um ponto de vista e, em seguida, argumentar para comprová-lo.



Se eu me deparasse com essa proposta e a tivesse interpretado de acordo com a opção 1, meu roteiro seria o seguinte:

Introdução (tese) – A prática artística interfere positivamente na saúde.

Parágrafo de desenvolvimento 1 __ Relacionaria as seguintes ideias: a vida corrida do homem do século XXI tem sido nociva para a saúde. Atividades artísticas têm sido usadas no tratamento de alterações psicológicas, apresentando resultados satisfatórios.

Parágrafo  de desenvolvimento 2 __ A necessidade humana de fuga da realidade e a arte como caminho viável para isso.

Pronto!


Em suma, os temas conotativos podem assustar um pouco no início, mas “domá-los” não é tão difícil assim.

Bons estudos!